5 habilidades para as profissões do futuro

Programação, capacidade de racionar de forma mais rápida e habilidade para conseguir trabalhar de formas flexíveis são algumas das habilidades apontadas pela consultoria de recrutamento Michael Page como essenciais para a próxima geração de profissionais. Com base nas novas demandas que têm surgido nas empresas e no mercado de trabalho, os especialistas da consultoria apontaram quais capacidades farão diferença daqui para frente. Nem todas exigem afinco em cursos tradicionais ou aprofundamentos técnicos. São fundamentalmente ligadas à gestão, visão e liderança.

1. Estudo e domínio de programação 
Programar virou tão ou mais importante do que saber inglês. Ao menos é assim que a consultoria define a importância de dominar programação para os profissionais do futuro. Segundo Ricardo Basaglia, diretor executivo da Michael Page. Com a automatização dos novos processos, as empresas precisarão de pessoas que dominem linguagens diferentes de programação – o tal “saber escrever código (code)”. “A demanda por profissionais com essa habilidade deve ser maior do que a de uma pessoa que domine um segundo idioma”, diz Basaglia.

2. Adaptação a novos regimes de trabalho 
A consultoria prevê que a dificuldade em conseguir uma vaga no mercado formal de trabalho aumentará nos próximos anos. “Será crescente o volume de pessoas dispostas a atuar como terceiros, temporários, freelancers ou em startups e fintechs”, afirma Ricardo Basaglia. Diante desse cenário, os profissionais precisarão se adaptar a regimes alternativos de trabalho, que fogem do modelo presencial, das 9h às 18h. “Essa nova organização do trabalho já está em curso e terá mais espaço e vagas para aqueles que se dispuserem a atuar em modelos de trabalho alternativos ao convencional”, diz o executivo.

3. Visões e competências para a terceira idade 
As novas profissões do futuro não incluem apenas aprendizado sobre tecnologias, programação ou serviços digitais. Com o envelhecimento da população e aumento da expectativa de vida haverá novas perspectivas profissionais para quem olhar a terceira idade, segundo a Michael Page. Profissões como cuidador e habilidades para desenvolver produtos e serviços destinados a esse público terão grande demanda.

4. Inteligência computacional
Raciocínio rápido e capacidade de resolver problemas complexos no curto prazo serão habilidades cada vez mais cobradas pelas empresas, segundo Ricardo Basaglia. É conseguir, por exemplo, receber uma enorme quantidade de dados e informações e gerenciá-las de forma eficiente na resolução de problemas e desafios. “Essa geração terá de agir com muita rapidez e eficiência. Serão cobrados por isso. Terão de reagir com muita agilidade para superarem desafios mais complexos”, diz o executivo da Michael Page.

5. Habilidade prática 
Uma das buscas atuais das empresas, segundo a consultoria Michael Page, é a busca por funcionários que trabalhem de forma prática no dia a dia. Não apenas em termos de governança, mas de gestão e tomada de decisão. “As empresas procurarão funcionários orientados à resolução de problemas complexos, com raciocínio crítico, flexibilidade cognitiva e que saibam administrar pessoas. Quem tiver essas habilidades associadas a um bom perfil técnico e comportamental será bem assediado no mercado”, diz Ricardo Basaglia.

Fonte: Época Negócios

5 respostas que pegam mal na hora da entrevista de emprego

“Meu ponto a melhorar? Sou muito perfeccionista”
Essa até doí no ouvido do recrutador de tão batida que é. Uma boa dica é pensar em algo que é mesmo o seu ponto fraco, mas que não é essencial para desenvolver o seu trabalho.

“Não, eu não gosto de trabalhar em equipe, mas precisa né?”

Sim, seja verdadeiro na entrevista, mas cuidado para não extrapolar na sinceridade.

“Eu devo ser contratado, pois estou há mais de um ano desempregado e preciso muito de um emprego”

Na hora da entrevista, deixe o seu desabafo de lado e foque nos seus diferenciais, na sua força de vontade e no quanto você quer aquela oportunidade


“Difícil essa pergunta” ou “Nossa, não sei nem como começar a responder”

As vezes uma pergunta pode te pegar de surpresa. A melhor dica mesmo é treinar suas respostas antes de ir para a entrevista

“Estou procurando um novo emprego, pois detesto meu chefe atual”

Falar mal de antigos empregadores ou das empresas onde você trabalhou mancha a sua imagem. A ideia passada é: se ele fala mal da empresa atual, falará mal da minha também

Diploma não garante emprego, e jovens repensam a carreira

País ganhou mais 3 milhões de desempregados em 2016 e 900 mil formandos entraram no mercado

Por ano, cerca de 900 mil pessoas se formam na faculdade, segundo dados do Ministério da Educação (MEC). Em busca de uma vaga, eles dão de cara com um mercado de trabalho cada vez mais achatado. Só em 2016, o volume de empregos encolheu 1,9 milhão de vagas. É a crise afetando principalmente os jovens, que terão que achar uma colocação em um cenário que ganhou, só no último ano, 3 milhões de desempregados. Diante desse desafio, já tem muita gente repensando carreiras e mudando de sonho.

Em março deste ano, Felipe Reis, 25, vai se formar em engenharia civil com notas acima da média, além do diferencial de ter cursado disciplinas na Inglaterra durante um ano. Ele conta que, quando entrou na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop), em 2010, havia uma disputa acirrada entre as grandes empresas, que praticamente laçavam os recém-formados na porta da faculdade. Agora, para conseguir um emprego, Reis acha que a alternativa será fazer um curso técnico.

“Está tão difícil que nem estágio remunerado eu consegui. Então, eu pretendo voltar a um curso de técnico em edificações, pois acho mais fácil conseguir me colocar assim”, afirma Reis. O universitário diz que tem visto muitos amigos engenheiros serem contratados como analistas.

Outra alternativa seria seguir a carreira acadêmica. “Eu sempre fui contra professores que dão aula sem terem atuado na prática. Mas, infelizmente, talvez tenha que partir para esse caminho. Está muito difícil. Tem muita gente com experiência voltando ao mercado, e as vagas, que são poucas, ficam muito concorridas”, lamenta Reis.

O sonho de Aurez da Silva Santos, 29, é fazer um curso superior de gestão em segurança privada para atuar na área administrativa. Mas, por hora, terá que se contentar com um curso técnico de segurança do trabalho. “É o que está cabendo no bolso neste momento. E isso porque eu consegui uma bolsa de 50%”, conta Santos, que procura por emprego de vigilante patrimonial.

Disputa. O professor de economia da Faculdade IBS/ Fundação Getúlio Vargas (FGV) Flávio Correia afirma que os jovens estão entre os mais afetados pela crise, ao lado de profissionais na faixa dos 55 aos 60 anos. “Os jovens não têm a experiência e ainda terão que concorrer com esses profissionais mais velhos, que também estão procurando emprego. A recontratação ainda vai demorar um pouco, pois os empregadores precisam ter certeza da retomada econômica. Acredito que as propostas de mudanças, como flexibilização das leis trabalhistas, serão importantes para incentivar a retomada”, comenta o professor da FGV.

Menos oportunidades. Nos últimos dois anos, a taxa geral de desemprego em Belo Horizonte subiu de 6,6% para 11,5%. A dos jovens de 18 a 24 anos foi de 16,9% para 25,8%, segundo o IBGE.

Geração sem preparo para crise

A quantidade de jovens em busca de emprego é grande, mas nem todos estão dispostos a aceitar as oportunidades que aparecem. Jacqueline Rezende, especialista em gestão estratégica de pessoas e diretora da Sias Educação e Consultoria, afirma que a juventude nunca enfrentou uma crise tão pesada e não está preparada para passar por ela.

“Eles precisam entender que o mercado funciona sob pressão e que a entrega tem que ir além do combinado, tem que vestir e suar a camisa. Ansiosos, muitos chegam à entrevista perguntando sobre quando serão promovidos. Já ouvi até a seguinte pergunta: será que essa empresa vai emendar o Carnaval?”, revela.

Segundo Jacqueline, a cada 15 entrevistas de emprego que marca com candidatos de 20 a 32 anos, apenas oito comparecem. Acima de 35 anos, esse número sobe para 12.

A especialista ressalta que, hoje, o comportamento do entrevistado tem o mesmo peso da qualificação. “Não adianta chegar com um currículo esplendoroso. É preciso aliar as competências técnicas às comportamentais”,diz.

Jacqueline considera ser fundamental usar bem o tempo em cursos, buscar trabalhos voluntários e assistir a palestras gratuitas.

Fonte: http://www.otempo.com.br/capa/economia/diploma-n%C3%A3o-garante-emprego-e-jovens-repensam-a-carreira-1.1429031

As áreas que estarão em alta no mercado de trabalho em 2017

Contratações ocorrerão em ritmo moderado e seletivo e quem busca uma recolocação profissional precisará ter paciência e flexibilidade. Estas tendências foram apontadas na edição 2017 do guia salarial da consultoria Robert Half, divulgado nesta terça-feira (04/10). As empresas continuarão buscando a redução de custos e focarão na qualidade do quadro de funcionários para garantir competitividade quando o cenário melhor chegar, segundo Fernando Mantovani, diretor de operações da Robert Half.

A consultoria ouviu 100 diretores de Recursos Humanos e 83% deles disseram que manterão as contratações pelos próximos 12 meses  tanto para repor posições disponíveis quanto para preenchimento de novas vagas. Porém, a consultoria analisa que apesar do alto número de profissionais disponíveis no mercado — devido à crise e alto desemprego — o tempo de recrutamento está aumentando e a disputa será mais acirrada. As empresas têm tido dificuldade em encontrar o profissional adequado devido ao maior número de currículos por vaga, aumento da expectativa dos candidatos em relação à vaga, maior número de candidatos aceitando contraproposta e etapas mais numerosas nos processos seletivos.

Este tipo de ambiente também não favorecerá uma recolocação profissional — especialmente se ela exigir a manutenção do salário, de acordo com a análise da consultoria. “Há profissionais que, mesmo sem o preparo ideal, foram sendo promovidos quando o mercado estava aquecido e agora encontram barreiras diante na nova realidade econômica do país”, afirma Mantovani. Segundo ele, é preciso neste momento que o candidato analise pontos que vão além da remuneração, como compatibilidade entre a oportunidade e os projetos profissionais, perspectivas de carreira dentro da companhia num período entre seis meses e um ano e as oportunidades de recuperar o ganho no longo prazo.

Em 2017, a tendência é de que os salários mantenham-se estáveis, sem reajustes elevados, segundo a Robert Half. Os gestores de RH projetam um acréscimo de até 10% na remuneração fixa, considerando a inflação. “Dessa forma, as empresas deverão concentrar-se mais em ganhos variáveis robustos como forma de valorizar o esforço dos funcionários no cumprimento e superação das metas”.

O guia salarial indica especificamente estratégias de recrutamento e tendências em oito áreas: engenharia, finanças e contabilidade, vendas e marketing, jurídico, mercado financeiro, recursos humanos, seguros e tecnologia. Confira abaixo:

Engenharia 

Perfil do profissional buscado: versatilidade, boa comunicação, habilidade de relacionamento com outras áreas, flexibilidade
Demandas: vendas técnicas, melhoria contínua e supply chain principalmente [levantamento
realizado pela Robert Half com 230 profissionais de supply chain revelou que 76% deles acreditam que a área manterá o atual nível de crescimento ou avançará ainda mais nos próximos anos]
Oportunidades: agronegócio, alimentos, indústria química, bens de consumo, tecnologia e equipamentos médicos

Finanças e contabilidade

Perfil do profissional buscado: versatilidade, habilidade de negociação e comunicação, inglês, estabilidade, trabalho em equipe e foco nos resultados
Demandas: fiscal, contábil, controladoria, auditoria
Oportunidades: agronegócio, exportação, setor farmacêutico, indústria da beleza e tecnologia

Segundo o guia, as principais preocupações dos CFOs para 2017 são acompanhar as mudanças tecnológicas da área (42%), estar em conformidade com as demandas regulatórias e de compliance (26%), fazer a gestão de um grande volume de dados (13%) e atender a padrões de relatórios de finanças e contabilidade (13%). 95% dos CFOs consultados estão preocupados com suas equipes entregarem as metas em 2017.

Para 80% dos CFOs, a rotatividade em finanças aumentou nos últimos 12 meses, sendo que 23% consideram que houve um crescimento significativo.

Jurídico

Perfil do profissional buscado: faculdade de primeira linha, estabilidade no currículo, visão de longo prazo, inglês e perfil comercial
Demandas: contencioso cível, consultivo e contencioso trabalhista, consultoria tributária, advogado generalista, sócios
Oportunidades:  tributário, cível, trabalhista e concorrencial e compliance

Segundo o guia, há uma grande procura por advogados com espírito empreendedor, que tenham a capacidade de gerar novos negócios. À bagagem técnica, que permanece muito valorizada, deve ser acrescida a habilidade comercial ou uma boa carteira de clientes para que o advogado sênior suba o próximo degrau na carreira. Nas empresas, segue em alta o perfil de advogado mais generalista.

Mercado Financeiro

Perfil do profissional buscado: postura de dono, afinidade com tecnologia e inglês
Demandas: compliance, auditoria, controles internos
Oportunidades:  fintechs, meios de pagamento, fundos de private equity e reestruturação de crédito

O guia chama atenção para novos tipos de profissionais que estão sendo buscados dentro das startups financeiras, as fintechs. “São profissionais inovadores e com apetite pelo risco. Candidatos que preencham esses requisitos e possuam sólido conhecimento do mercado
financeiro têm chances de contratação, pois o profissional mais arrojado e com visão estratégica
ganha mais espaço do que o perfil clássico e mais conservador”.

Recursos Humanos

Perfil do profissional buscado:  inglês, proatividade e olhar estratégico
Demandas: coordenador, gerente generalista, analista de folha de pagamento e departamento pessoal, analista sênior de remuneração e benefícios
Oportunidades:  energia, startups de tecnologia e setor farmacêutico

Segundo o guia, o setor de Remuneração e Benefícios estará em alta e o profissional de RH será cobrado por inovação e versatilidade na estruturação dos cargos e salários. O grande desafio será encontrar espaços para reestruturações, ao mesmo tempo em que se mantém a preocupação com a retenção de talentos, elaborando pacotes atrativos.

Além do perfil mais generalista, o profissional precisa saber sobre o negócio de fato. Não será suficiente entender apenas dos subsistemas de RH e de regulamentação trabalhista.

Seguros

Perfil do profissional: inglês e perfil empreendedor
Demandas: ramos elementares
Oportunidades: startups e e-commerce

O guia chama atenção para a crescente venda de seguros on-line — e o profissional precisa se adaptar a isso. “Será uma evolução natural do setor e todos precisarão se adaptar”

Tecnologia

Perfil do profissional:  experiência sólida, inglês, perfil mais interativo e relacionamento interpessoal
Demandas:  gerente de projetos, gerente de tecnologia voltado à inovação, Devops, consultor funcional, analista de negócios, analista de suporte
Oportunidades: empresas mobile e web, startups em geral, fintechs e varejo

A demanda é por um profissional híbrido, segundo o guia, que seja capaz de programar em qualquer linguagem, principalmente para IOS e Android. “Chamado de full-stack, o perfil é buscado também para cargos mais operacionais”.

O guia também chama atenção para o Big Data (lidar com grande volume de dados). Profissionais deste setor precisam mesclar cada vez mais conhecimentos de TI com estatística para conseguirem traduzir os dados de negócio em informações estratégicas para a tomada de decisão.

Vendas e marketing

Perfil do profissional:  inglês, visão 360 graus do negócio, boa comunicação, perfil analítico e liderança
Demandas: Key account, gerente de vendas, trade marketing, consultor comercial
Oportunidades: agronegócio, alimentos, serviços, tecnologia, health care B2B, farmacêutico, bens de consumo

Segundo o guia, o perfil consultivo, até então valorizado pelas empresas, precisa ser atualizado. O profissional precisa avançar fronteiras e conquistar novos mercados. O chamado perfil hunter (caçador) é o mais valorizado. “Apenas uma boa carteira de clientes não será suficiente para os profissionais de venda garantirem um lugar no mercado, porque as empresas precisam ir além”

Fonte: http://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2016/10/areas-que-estarao-em-alta-no-mercado-de-trabalho-em-2017.html

Mercado de trabalho: estrangeiros de saída do Brasil

A recessão que castiga o mercado de trabalho e trava investimentos tem tirado oportunidades e desempregado uma mão de obra considerada importante por especialistas para o setor produtivo brasileiro aprimorar processos, incorporar novas tecnologias e aumentar a visibilidade do país no exterior. Relatório do Ministério do Trabalho mostra que, no primeiro semestre de 2016, o número de autorizações concedidas a estrangeiros para trabalharem no Brasil teve uma queda de 21% em relação ao emitido no mesmo período do ano passado. Passou de 18.213 para 14.477 vistos nos primeiros seis meses de 2016. A queda se deu na mesma proporção do recuo registrado em 2015, primeiro ano da recessão, quando os vistos para trabalho somaram apenas 36.868, frente aos 46.740 emitidos no ano anterior.

O número total de estrangeiros trabalhando no país, que vinha crescendo ano a ano desde o começo desta década, também já dá sinais de recuo, segundo levantamento da Associação Nacional de Estrangeiros e Imigrantes. No primeiro trimestre de 2016, 7.400 postos de trabalho eram ocupados por expatriados, 2.000 a menos do que no mesmo período do ano passado. Só entre 2011 e 2013, por exemplo, o número de trabalhadores estrangeiros no mercado formal de trabalho brasileiro cresceu 50,9%, de acordo com o Ministério do Trabalho.

“A crise brasileira não poupa ninguém. Nem esses estrangeiros, que são bastante qualificados. Muitos perderam seus empregos porque a empresa estava em má situação financeira. A situação econômica do Brasil também diminui as chances de outros pedirem transferência. Esperamos que, quando a economia voltar a crescer, esse quadro se reverta. O Brasil nos últimos anos foi um campo atraente para estrangeiros dos ramos de petróleo, financeiro e da saúde”, conta o peruano Grover Calderón, presidente da associação de estrangeiros.

Fonte: http://epocanegocios.globo.com/Carreira/noticia/2016/10/mercado-de-trabalho-estrangeiros-de-saida-do-brasil.html